bird songs and tutti frutti twilight zone

Biografia (PT)

credit: Anna Wojtecka

“Rita Braga é compositora e cantora e é personagem que se encena, com humor pop, humor do absurdo e um toque de surrealismo, em cada uma das canções que compõe. Na sua música, é vaudeville moderno, artista new-wave desalinhada, pioneira da electrónica, tapeçaria folk sem origem definida, uma cultora pop de melodia trauteável e vasta geografia na ponta da língua.” (Mário Lopes, Ípsilon)

Rita Braga (Lisboa, 1985) é cantora, compositora e multi-instrumentista.

Ao longo da última década atuou em toda a Europa e também nos EUA, Brasil, Austrália e Japão.

Time Warp Blues (Underground Institute, 2020) é o terceiro álbum e o primeiro longa-duração em vinil, co-produzido por Andrea Rocca em Londres. Anteriormente editou Bird on the Moon (Lunadélia Records, 2018 / Moorworks, Japão 2019), o qual deu entrada no “Top 15 de discos com ukulele” na revista Wire; o EP Gringo in São Paulo (2015) e o aclamado álbum de estreia Cherries That Went To The Police (NAU, 2011), produzido por Bernardo Devlin.

Escreveu e dirigiu a mini opereta pop de ficção científica A Quantic Dream.

Licenciou-se em Ciências Musicais pela Universidade Nova de Lisboa e em 2019 completou uma pós-graduação em Teatro e Performance na Goldsmiths, Universidade de Londres, com o apoio da Fundação Gulbenkian. Tem também um percurso nas áreas da escrita, desenho e ilustração, cinema de animação e é autora de bandas sonoras.

As colaborações na música incluem trabalho com Angélica Salvi, Dorit Chrysler, Felix Kubin, Ian Svenonius (The Make-Up), The Legendary Tigerman e Vítor Rua, entre outros.