bird songs and tutti frutti twilight zone

Biografia (PT)

Rita Braga live_credit Anna Wojtecka

credit: Anna Wojtecka

Rita Braga (1985) é cantora e compositora, performer e multi-instrumentista. Atua geralmente a solo um repertório eclético em mais de dez línguas.

Ao longo da última década atuou em numerosos clubes, teatros, galerias de arte e festivais por toda a Europa, EUA, Brasil, Austrália e Japão, e compôs bandas sonoras para curtas metragens e publicidade. Licenciou-se em Ciências Musicais pela Universidade Nova de Lisboa, e em 2019 completou uma pós-graduação em Teatro e Performance na Goldsmiths, Universidade de Londres, com bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian. Teve também um breve percurso nas áreas da ilustração e cinema de animação.

O álbum Bird on the Moon (Lunadélia Records, 2018) revela o seu universo pop idiossincrático, pelo qual foi descrita como “a cantora folk que terá acompanhado os primeiros viajantes do espaço” (Fred Roberts, Ragazine). O disco entrou na lista dos “Top 15 records featuring ukulele” na Revista Wire (Novembro de 2019). Em Outubro de 2019 houve uma re-edição no Japão pela Moorworks, levando a uma extensa digressão de concertos nesse país.

Anteriormente editou o EP Gringo in São Paulo (2015), composto de temas escritos e gravados durante uma residência no Brasil, e o aclamado álbum de estreia Cherries That Went To The Police (2011), uma reinterpretação de temas de diversas partes do mundo (produzido por Bernardo Devlin).

Em 2016 escreveu e dirigiu a opereta minimal pop de ficção científica A Quantic Dream, como resultado de uma residência artística de dois meses em Graz, Áustria.

Em Portugal integrou o disco Novos Talentos Fnac 2007 e foi uma das artistas convidadas no album Femina de Legendary Tigerman (2009), tendo atuado a solo na primeira parte dos concertos nos Coliseus de Lisboa e Porto em Janeiro de 2011, a convite do músico.

Representou Portugal na coletânea EurNoVision 2016, no qual se destacam projetos musicais independentes de vários países europeus, e participou em Songs for the Sea: Ukulele Sirens, editado em Maio de 2017. No circuito de festivais dedicados ao ukulele, teve maior destaque no Melbourne Ukulele Festival 2018 (Austrália) e Kukulele 2019 (Finlândia), tendo atuado em diversos festivais internacionais como o Grand Northern Ukulele Festival (Reino Unido), Ukulele Hooley (Irlanda), Czech Ukulele Festival, Polish Ukulele Festival e UKP Day (Galiza).

As colaborações incluem trabalho com Bernardo Devlin, Borts Minorts, Dorit Chrysler, Felix Kubin, Ian Svenonius (The Make-Up, Chain and the Gang), Mary Ocher, Martha Colburn, Presidente Drógado, Victor Coyote e Vítor Rua, entre outros.